Le Pouce: Subindo o terceiro pico mais alto da Ilhas Maurício

  • Español
  • Português
  • Deutsch
  • Français
  • English

Formada há mais de 10 milhões de anos, a montanha de 812 metros de altitude reúne os que procuram emoção com um propósito único. Uma subida que o leva a um dos picos a partir dos quais é visível uma boa parte da Le Pouce: Subindo o terceiro pico mais alto da Ilhas Maurício. Le Pouce faz parte da cadeia Moka. A montanha esconde aos seus pés a bela aldeia de La Laura-Malenga. No entanto, terá a escolha entre a rota muito difícil, quer de Port-Louis via Le Dauguet, ou de St-Pierre para uma subida mais calma e menos cansativa. A caminhada a partir de Saint-Pierre é muito mais curta. Dura cerca de 4 horas, o que o torna acessível a todos os bons caminhantes.

Porque é que Le Pouce é famoso?

Le Pouce é bem conhecido e os caminhos são frequentemente utilizados. Não terá, portanto, qualquer dificuldade em encontrar o seu caminho. No entanto, tenha cuidado, após chuva forte, toda a primeira parte da caminhada é escorregadia e pode até ver-se um pequeno riacho a formar-se. A caminhada começa com uma pista larga que passa por algumas cabanas. A encosta é suave e sem dificuldades. À esquerda, uma placa de madeira indica algumas direcções e o tempo de caminhada, permitindo 2h10 para o Polegar. Virar ligeiramente à direita e seguir um caminho muito pedregoso que começa perto de grandes eucaliptos antes de entrar nas jamroses que criam uma sombra agradável. Mais adiante, a pista estreita-se e torna-se um caminho composto principalmente por grandes pedras duras nos tornozelos.

Se tiver sorte, poderá avistar macacos mais abaixo no vale. O caminho, ainda rochoso, começa a escalar cada vez mais. Depois de algumas curvas, chegamos ao início de um pequeno planalto. Aproveite as vistas panorâmicas que lhe são oferecidas; uma antevisão da ilha antes de a poder admirar a 360°, a partir do topo. As pedras finalmente desaparecem para dar lugar à relva e à terra. Se virar à esquerda, pode chegar a Port Louis. O caminho continua à direita através de goiabeiras, belas palmeiras e longos que brigam para invadir as encostas íngremes de Le Pouce.

Grande vista para a Montanha do Polegar, mas cuidado!

Atingimos um novo pequeno planalto onde as vistas têm crescido ainda mais. Le Pouce, sempre em frente, exibe o seu cume que parece próximo à vista: euforia! A inclinação, porém, é extremamente íngreme e requer muita cautela, concentração e agilidade. De facto, esta parte não é recomendada para pessoas propensas a vertigens. O caminho tem passos muito altos que, devido à verticalidade da área, criam a única dificuldade real. As mãos são necessárias para garantir a segurança, uma vez que os corrimãos são muito raramente encontrados nas Maurícias. O cume de alguns metros quadrados tem grandes rochas e pouco espaço para os caminhantes sem fôlego. Port Louis ocupa uma grande parte do panorama. Também se pode ver o oceano e todos os arredores de Le Pouce, ocupados por outras montanhas; um espectáculo garantido! Do topo pode ver-se Port Louis, Moka e Beau-Bassin Rose-Hill, bem como muitos outros lugares à volta da ilha.

No entanto, é preciso ter muito cuidado porque o vento pode ser violento. Depois de apreciar o espectáculo, é tempo de voltar a descer. Aqui mais uma vez: tenha cuidado. A descida pode ser mais complicada do que a viagem até ao cume. Para descer, é melhor sentar-se antes de pôr os pés. Uma vez no planalto, o resto da descida é um prazer.

A fauna e a flora de Le Pouce

Durante a caminhada, verá que Le Pouce é superpovoado de goiabas e acácias, que não são nativas da região. Um exemplo da flora endémica de Le Pouce é o Pandanus pseudomontanus comummente conhecido como o Mountain Screwpine. Embora esta planta não conste oficialmente da Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), está potencialmente em perigo de extinção. As únicas espécies são duas plantas na Reserva Natural do Polegar. Como ambas as espécies são plantas machos, a espécie está em risco extremamente elevado de extinção. Portanto, tenha cuidado para não contribuir para a sua extinção.

Charles Darwin escalou Le Pouce

Além disso, Le Pouce foi formado há dez milhões de anos numa cúpula de lava basáltica. Isto confirma o facto de que a Le Pouce: Subindo o terceiro pico mais alto da Ilhas Maurício é de facto uma ilha vulcânica. Entre as celebridades que escalaram Le Pouce está Charles Darwin que escalou a montanha durante a sua viagem à volta do mundo. Registou-o no seu diário:

"Subi até Thumb, uma montanha chamada assim desde uma projecção em forma de polegar, que se eleva perto da cidade a uma altura de 2600 pés. O centro da ilha consiste numa grande plataforma, rodeada por velhas montanhas basálticas quebradas, com os seus estratos mergulhando para o mar. A plataforma central, formada por fluxos de lava relativamente recentes, tem uma forma oval, de 13 milhas de diâmetro, na linha do seu eixo mais curto. Os limites exteriores das montanhas caem nessa classe de estruturas chamadas crateras de elevação, que se supõe terem sido formadas não como crateras vulgares, mas sim por uma grande sublevação súbita. Parece-me que existem objecções insuperáveis a este ponto de vista: por outro lado, dificilmente posso acreditar, neste caso como noutros, que estas montanhas de cratera marginal sejam apenas restos basais de imensos vulcões cujos cumes foram varridos, ou engolidos por abismos subterrâneos.

Os Caminhos

Saint-Pierre - Cimeira: 3,8km ida e volta, trilho moderado durante 4h (subida íngreme nos últimos 500m), regresso no mesmo trilho ou no de Port-Louis.

Saint-Pierre - Port-Louis: 6 km numa direcção, trilha moderada durante 3h45 (não incluindo a subida ao cume), fim da trilha em Tranquebar ou Le Dauguet, Port-Louis.

© Copyright 2022 -  infoilemaurice.com
Sitemap