A História de Port Louis

  • Español
  • Português
  • Deutsch
  • Français
  • English

Port Louis é a capital da Ilhas Maurício. Localizado no distrito de Port Louis, é o centro económico, cultural e político do país. É também a cidade mais populosa - com quase 200.000 habitantes, e é administrada pela Câmara Municipal de Port Louis.

Da Gare du Nord para o Banco da Ilhas Maurício

Na entrada da Estação Norte, vindo do Norte, há um templo tâmil chamado Kaylasson. Construído não muito longe do Aapravasi Ghat, o Templo de Kaylasson testemunha a fé profundamente enraizada dos imigrantes que desceram para o Appravasi Ghatt. Saindo da Estação Norte, tomaremos uma das estradas mais folclóricas da capital. A rua Farquhar em frente ao famoso mercado central de Port-Louis. Durante esta caminhada, todo o tipo de compras pode ser feito de acordo com o gosto. Mas se subir em direcção ao centro da cidade ou, se quiser, à parte administrativa de Port-Louis, irá certamente passar em frente ao gabinete do Primeiro-Ministro também conhecido como o edifício do Tesouro ou o Parlamento e os vários bancos do país, nomeadamente o MCB e o Banco das Ilhas Maurícios.

Outros artigos sobre Port-Louis :

Compras em Port Louis, a capital da Ilhas Maurício
O mercado de Port-Louis
Catedral de Saint-Louis, a catedral mais antiga da ilha

Após a secção administrativa de Port-Louis

Deixando a parte administrativa de Port-Louis, vamos directamente para a Catedral de Saint Louis que alberga o bispado de Port Louis. Data de 1933, mas foi renovado em 2007. Em frente à Catedral está o Supremo Tribunal, o mais alto tribunal de justiça, que mantém o lema da monarquia britânica na grelha circundante: "Deus é o meu direito". Diz-se neste momento porque o governo mauriciano está a construir um grande edifício na Edith Cavell Street que será utilizado para albergar o Supremo Tribunal.

E se ficarmos na Rua Pope Hennessy, um pouco mais adiante, chegamos ao Champ de Mars, que é o mais antigo hipódromo do hemisfério sul. Como todos os sábados, os entusiastas das corridas de cavalos reúnem-se para um evento que já se realiza há mais de dois séculos.

O desenvolvimento de Port-Louis

A própria visão da cidade dá uma visão dramática do desenvolvimento acelerado a que tem sido submetida desde o final dos anos 80. Para obter esta vista de cortar a respiração, não há nada melhor do que ir a La Citadelle. Este lugar continua a ser um dos edifícios que ainda resistem ao desenvolvimento. É um dos quatro fortes, construído pelos britânicos na capital após a captura da ilha em 1810, que ainda se mantém (Fort George, Fort William e Fort Victoria estando em ruínas).

Forte Adelaide (A Cidadela)

O forte foi erguido entre 1834 e 1840 sobre as ruínas da antiga Citadela. Foi construído pelo governador francês, Antoine Marie Desforges Boucher, em 1743. A necessidade deste forte numa altura em que o império colonial britânico já não estava ameaçado na região, baseava-se na necessidade de maior segurança interna. De facto, o risco de uma revolta dos colonos franceses era real, especialmente após a imposição do fim da escravatura. O posicionamento de parte dos canhões em direcção ao leste parece atestar isto. No entanto, nunca seria utilizado e alojaria uma pequena guarnição militar. Comissionado pelo Rei Guilherme IV, tem o nome da sua esposa, Adelaide.

O lado sul de Port Louis

No lado sul, do lado da Montanha dos Sinais, pode ver-se o monumento de Maria Rainha da Paz. Monsenhor Leen foi o iniciador da construção do monumento, que alberga uma estátua de três metros de altura. É um lugar alto de peregrinações e reuniões da comunidade católica da ilha. Tendo-se tornado também uma atracção turística, oferece também uma bela vista que parte da histórica Ala IV de Port Louis e se estende sobre a cidade e, em particular, à esquerda sobre o porto. Les Salines tira o seu nome de uma indústria de sal no tempo do Governador Mahé de Labourdonnais. Este lugar foi o local de nascimento do poeta Léoville L'Homme que o descreveu num dos seus poemas como uma "beleza encantadora". No entanto, o local abriga dois monumentos instrutivos. A primeira, uma obra da Société de l'Histoire de l'île Maurice, é uma homenagem a Guillaume Dufresne D'Arsel, comandante do navio francês Le Chasseur que ancorou neste porto a 20 de Setembro de 1715 e tomou posse da ilha a que deu o nome de Ile de France. A segunda é outra homenagem ao pai da revolução na Rússia, Vladimir Illitch Lenin. Inaugurada em 1972 pelo antigo Primeiro-Ministro Sir Seewoosagur Ramgoolam, testemunha o posicionamento das Ilhas Maurícios pós-independência e a necessidade de se afirmar como uma nação independente, aproximando-se tanto do bloco soviético como do Movimento dos Não-Alinhados.

O pagode mais antigo

Finalmente, Les Salines é também a localização de Kwan Tee, o pagode mais antigo da Ilhas Maurício, que tem onze, todos localizados em Port Louis. Fundada em 1842 por Log Choïsanne, o pioneiro da comunidade chinesa na ilha, é dedicada ao culto do Deus Guan Di, um grande guerreiro elevado à categoria de divindade. A sua arquitectura é a arquitectura tradicional do templo chinês com um telhado com arestas curvas. É um lugar alto da comunidade chinesa que vem pedir protecção, para consultar antes de tomar decisões importantes que irão influenciar a vida familiar e profissional. Um belo lugar de meditação para terminar a visita.

A história do Porto de Port-Louis

Port Louis já era utilizado como porto em 1638. Em 1735, sob o governo francês, tornou-se o centro administrativo da Ilhas Maurício. A cidade foi então um importante porto de reabastecimento para navios franceses durante a sua passagem entre a Ásia e a Europa, em torno do Cabo da Boa Esperança. O porto é nomeado em honra do Rei Luís XV. Durante este período de colonização francesa, a Ilhas Maurício era conhecida como Ile de France. O governador francês na altura, Bertrand-François Mahé de Labourdonnais, contribuiu para o desenvolvimento da cidade. Como Port Louis estava relativamente bem protegido dos ventos fortes pela cordilheira Moka, Port Louis foi escolhida para albergar tanto o porto principal como o forte da ilha. O valor do porto continuou durante a ocupação britânica da ilha durante as Guerras Napoleónicas (1800-1815), e ajudou a Grã-Bretanha a controlar o Oceano Índico. No entanto, os portos de escala dos navios caíram drasticamente após a abertura do Canal de Suez em 1869. A actividade no porto aumentou durante os sete anos em que o Canal de Suez foi encerrado (a partir de 1967). A modernização do porto no final dos anos 70 ajudou-o a manter o seu papel como ponto central para todas as importações e exportações da Ilhas Maurício. Enquanto Port Louis continua a ser a capital administrativa e comercial da Ilhas Maurício, a expansão da indústria do turismo no final dos anos 90 levou a um desenvolvimento considerável em Port Louis, com muitas lojas, hotéis e restaurantes na zona ribeirinha de Caudan.

História da Autoridade Portuária das Ilhas Maurícios em Port Louis

A Autoridade Portuária das Ilhas Maurícios (MPA), estabelecida por lei em 1998, é a autoridade portuária responsável por Port Louis. A MPA fornece infra-estruturas portuárias, contratos com fornecedores privados para a movimentação portuária e serviços de carga, promove a utilização e desenvolvimento dos portos, e autoriza e regula os serviços portuários e marítimos. O porto confina com a cidade principal, sendo o porto actualmente composto por três terminais. O terminal I compreende um total de 1180 metros de cais, com seis cais para carga, passageiros e embarcações de pesca. O terminal II compreende 986 metros de cais com seis beliches e inclui instalações especializadas para o manuseamento e armazenamento de açúcar, peixe, sebo e soda cáustica. Em particular, o Terminal de Açúcar a Granel (operado pela Mauritius Sugar Terminal Corporation) pode manusear navios com um calado de até 11 metros, pode carregar açúcar a uma taxa de 1450 toneladas por hora e pode armazenar 175.000 toneladas de carga. O Terminal II também inclui um molhe dedicado a navios de cruzeiro de 124 metros com uma profundidade dragada de 10,8 metros. O Terminal III tem duas docas com 280 metros de profundidade dragadas de 14 metros e é especializado na movimentação de navios porta-contentores, com cinco pórticos pós-Panamax. Estão também presentes instalações de armazenamento para etanol a granel e pontos de fixação para contentores frigoríficos. Os navios demasiado grandes para atracar nas docas podem fundear no Ancoradouro Exterior, que está sempre dentro dos limites oficiais do porto.

sc name="advertising-pr-3rd-ad"][/sc]

Economia

O tráfego de carga foi ligeiramente superior a 6 milhões de toneladas, incluindo contentores representando 330.000 TEU (unidades equivalentes a vinte pés), 1,5 toneladas de líquidos a granel (na sua maioria petróleo) e 2 milhões de toneladas. Globalmente, o porto contribui para 2% do PIB do país.

O terminal de navios de cruzeiro, inaugurado em 2010 e nomeado em homenagem a Christian Decotter (ex-presidente do Conselho Consultivo de Turismo das Ilhas Maurícios), ilustra o papel crescente do turismo na economia mauriciana. Navios de cruzeiro de até 300 metros podem ser acomodados nas instalações, que incluem dois conveses de acesso para passageiros e veículos. A instalação foi a primeira no Oceano Índico a acomodar os maiores navios de cruzeiro do mundo. Em 2012, as chegadas de passageiros por mar incluíam 11.510 turistas e 6.450 excursionistas que chegaram em 23 navios de cruzeiro.

Cultura sempre presente

A cidade tem uma cultura diversificada e dinâmica que se reflecte na sua arquitectura, artes e festivais. Isto reflectiu-se no festival Porlwi by Light (o nome de Port Louis em crioulo) de 4 a 6 de Dezembro de 2015, com arte de rua e performances, instalações criativas e projecções de luz, concertos e stands culinários. Embora diminuída por um controlo mais apertado dos vendedores ambulantes em 2016, a cidade é famosa pelo seu animado espírito comercial. Ao discutir o apelo da cidade, o jornalista europeu Christopher F. Schuetze escreveu: "Penso que Port Louis é uma das maiores pequenas cidades do mundo. Port Louis parece ter tudo, a produtividade humana e a excitação para conduzir tudo isto. Enquanto alguns dos escritórios estão ligeiramente empoeirados, ou talvez um pouco pequenos pelos padrões modernos, pode encurtar as suas calças ou comer bolinhos entre as reuniões. Pode ir ao museu, comprar óculos de sol baratos e caminhar ao longo do Caudan sem ter de prolongar a sua pausa para almoço".

sc name="advertising-pr-3rd-ad"][/sc]

Arquitectura que reflecte a própria história de Port Louis…

A cidade está repleta de muitos edifícios e monumentos que reflectem a sua rica e diversificada história colonial. Perto do centro da cidade, existem vários edifícios coloniais franceses que datam do século XVIII, incluindo a casa do governo. Outras características tradicionais importantes incluem a Mesquita Jummah, a majestosa Catedral Inglesa de St. James, o Templo Tâmil indiano, o elegante Teatro Colonial de Port Louis, a pista de corridas Champ de Mars e a vizinha Pagoda chinesa. Há também algumas casas típicas de épocas passadas, a maioria das quais são estruturas de madeira com janelas com portadas e grandes pórticos. No entanto, a maioria das casas e estruturas comerciais são agora construídas com materiais mais duráveis como o betão, e a cidade inclui agora muitos arranha-céus de vidro e betão.

Artes

Port Louis tem sido uma cidade cultural activa que atrai pintores, poetas, escultores e escritores há séculos. Marie-Thérèse Humbert escreveu o seu famoso romance, La Montagne des Signaux, com Port Louis em mente. Malcolm de Chazal foi um escritor visionário mauriciano e pintor frequentemente visto na capital, principalmente no Mercado Central, no Champ de Mars e no Hotel National. Robert Edouard-Hart, um grande poeta, encontrou inspiração nesta cidade muito activa. Khal Torabully, poeta e semiólogo empenhado, desenhou a Traveller's Lane no Jardin de la Compagnie. O Teatro de Port Louis, ainda utilizado e servido principalmente para apresentações de música clássica, jazz e teatro local, tem uma história notável que inclui a primeira apresentação de ópera na ilha no século XIX, por troupes itinerantes europeus. Espera-se que vários artistas locais venham a desempenhar um papel mais importante nos próximos anos. De facto, a recente construção do Centro de Artes Caudan é uma prova do desejo de promover a arte.

Mais modernas instalações de entretenimento em Port Louis incluem várias salas de cinema, onde a maioria dos filmes são exibidos tanto em francês como em inglês. Recentemente inaugurado em Paille, um subúrbio de Port Louis, é o Centro Internacional de Convenções de Swami Vivekananda, de última geração. É a primeira instalação deste tipo na Maurícia e é utilizada para acolher convenções, concertos, feiras comerciais e exposições.

sc name="advertising-pr-3rd-ad"][/sc]

© Copyright 2022 -  infoilemaurice.com
Sitemap