História das Ilhas Maurício

  • Español
  • Português
  • Deutsch
  • Français
  • English

A história das Ilha Maurício é bastante fascinante. Perceberá como o passado tem desempenhado um grande papel na ilha moderna. No entanto, há falta de documentação sobre quando a ilha foi descoberta. Por conseguinte, é difícil saber a data exacta em que os acontecimentos reais tiveram lugar. Contudo, o facto é evidente que os árabes foram os primeiros a ocupar a ilha no século X. Chamaram à ilha Dina Arobi, que significa Ilha Deserta. A documentação também mostra que foram seguidos por outras tribos malaias.

História das Ilhas Maurício durante o período português

Os portugueses foram os primeiros europeus a visitar a ilha no início do século XVI, quando lhe deram o nome de Ilha do Ceme, que significa Ilha do Cisne. Contudo, os portugueses não se estabeleceram na ilha, mas utilizaram a ilha como porto de escala e como fonte de alimentos frescos, pois estavam muito empenhados em proteger o seu comércio e proximidade com a Índia.

O período holandês

Os holandeses liderados por Wybrant Warwijk visitaram o país pela primeira vez em 1598 e renomearam a ilha depois de Mauritius de Nassau, o Príncipe de Orange. Durante os primeiros anos após a chegada dos holandeses, visitaram regularmente o país e apreciaram as matérias-primas como o ébano e os animais selvagens como porcos, tartarugas, o famoso Dodô e cabras.

Artigos semelhantes:

História das Ilhas Maurício durante o período dos holandeses após 1600

Em 1630, os holandeses instalaram-se pela primeira vez no país para impedir que os franceses e os britânicos ocupassem a ilha. Os holandeses decidiram instalar-se na costa oriental em torno do porto localizado no sudeste, uma área em que hoje se situa a cidade de Vieux Grand Port. A primeira povoação foi estabelecida por um governador conhecido como Simons Gooyer, enviado pela Companhia Holandesa das Índias Orientais. O objectivo das colónias era enviar árvores de ébano para a Holanda e Batávia. Alimentos, tabaco, gado e aves de capoeira eram produzidos para fornecer alimentos frescos aos navios holandeses que utilizavam a rota naval. Os colonos foram também obrigados a construir um forte para proteger o porto, construído em 1638.

Após o reinado de Simons Gooyer, o Governador Van Der Stel foi enviado para a ilha e trouxe consigo várias sementes e frutos, incluindo mudas de cana de açúcar. Ele trouxe animais e aves como ovelhas, gansos, patos, pombos e veados. Ele criou os animais de modo a que se multiplicassem realmente para se tornarem alimentos frescos e produtos para os navios de passagem. Durante o seu tempo como governador, Stel aventurou-se muito na agricultura onde cultivava tabaco, anil, cana e arroz, mas as colheitas não podiam durar muito, uma vez que ele foi gravemente destruído por um ciclone em 1644. As difíceis condições na ilha desencorajaram os holandeses de abandonar o país.

Sob o período Holandês depois de 1700

Contudo, por volta de 1710, os holandeses regressaram à ilha e tentaram estabelecer-se novamente. Tinham a bordo homens competentes como ferreiros, serradores, carpinteiros, cervejeiros e curtidores. Mais uma vez, as difíceis condições meteorológicas da ilha não os pouparam e abandonaram a ilha.

História das Ilhas Maurício sob o período francês

Após a partida dos holandeses, as Ilhas Maurício permaneceram desocupadas até 1715. O Capitão Gillaume Dufresne D'Arsel ocupou a ilha e nomeou-a Isle de France. Os colonos começaram a vir da Ilha de Bourbon e de França. Denis Denyon tornou-se governador, e debaixo dele vastas extensões de terra foram desocupadas para tentar cultivar arroz, milho e tabaco. Infelizmente, todas as culturas foram destruídas pelos ciclones. Em 1738 Bertrand Mahé de Labourdonnais foi nomeado governador da ilha e construiu várias infra-estruturas. Estradas, um grande hospital civil e militar que ainda se encontra perto do porto, o governo, revistas de pó, lojas, armazéns, canais, e o castelo de Mon Plaisir. O governador obteve escravos de Moçambique que ajudariam os colonos a cultivar as suas terras.

Durante o seu reinado, Mahé trouxe marinheiros e artesãos indianos que ajudariam nas obras públicas. Isto levou a mais desenvolvimentos que conduziram a uma colónia próspera. Em 1767, o Governador Dumas e o Intendente Pierre Poivre assumiram a administração, onde construíram e ampliaram estradas e casas de pedra.

O período inglês

Após a guerra entre os britânicos e os franceses em 1810, a ilha ficou sob domínio britânico. A maioria dos antigos colonos franceses permaneceram na ilha e foram autorizados a manter as suas leis, religião e costumes. Sob a colónia britânica, a escravatura foi abolida em 1835. Trabalhadores indígenas foram trazidos para a ilha para trabalhar nas plantações de cana-de-açúcar. Os trabalhadores indianos desembarcaram em Port Louis, especificamente em L'Aapravasi Ghat localizado em capital das Ilha Maurício. A maioria dos índios acabou por se estabelecer nas Ilha Maurício, onde constituem a maioria da população actual.

Independência das Ilha Maurício

A Ilha Maurício obteve a independência em 12 de Março de 1968. Decidiram orientar-se por uma constituição baseada no sistema parlamentar britânico. Após vários anos, a ilha ganhou estabilidade económica e política e tornou-se uma república em 1992. A sua constituição baseia-se no modelo de Westminster onde o primeiro-ministro e o gabinete têm poder político. Os mauricianos realizam eleições de 5 em 5 anos.

Ilha Maurício, a sua faceta multicultural

A Ilha Maurício é capaz de acolher uma sociedade multicultural sem conflitos. Pessoas de diferentes religiões, línguas e culturas podem viver em harmonia como uma única comunidade. Os franceses desempenharam um grande papel nesta mistura de diferentes culturas quando ocuparam e assumiram o controlo da ilha. Trouxeram escravos de África e da Ásia. Os britânicos trouxeram os trabalhadores indianos e isto mudou realmente a cultura social da ilha. Pessoas diferentes de diferentes origens juntaram-se e formaram uma sociedade mauriciana distinta.

Hoje, o povo das Maurícias tem diferentes antepassados, diferentes religiões e crenças que foram integradas com sucesso na cultura local. A maioria dos mauricianos compreende e fala francês de forma mais fluente do que inglês. Os índios mantiveram a sua própria língua. A maioria da população mauriciana fala crioulo mauriciano que tem origens francesas. O multiculturalismo nas Maurícias torna o país único.

Mais informação : Ilha Maurício